Greve dos caminhoneiros: causa da direita ou esquerda?

COMPARTILHAR

OPINIÃO – Para responder esta indagação basta analisarmos os objetivos traçados pelos manifestantes e modus operandi do protesto dos caminhoneiros.

Conforme foi amplamente divulgado em todos os meios de comunicação, o objetivo central da manifestação era a redução do preço do diesel e do pedágio, bem como o tarifamento do preço do frete, tendo depois surgido novos objetivos em decorrência da adesão de outros grupos sociais.

Obviamente quando falamos em redução do preço do diesel e frete por meio de manifestação, estaremos falando em intervenção estatal na economia que foi o que ocorreu, tendo a União se comprometido a subsidiar a Petrobrás para bancar o preço do diesel, repassando a União esta despesa para todos os contribuintes por meio do aumento de outros tributos. Esse tipo de política não se coaduna com o liberalismo econômico pregado pela direita que quer o funcionamento do livre mercado com a menor intervenção estatal possível.

O modus operandi nos permite verificar também que essa era uma manifestação da esquerda, haja vista a agressividade do movimento que obrigava todos os caminhoneiros a aderirem ao movimento, sob pena de represálias, tendo ocorrido inclusive um assassinato em razão disso. A verdadeira direita quando se manifesta não tem por objetivo atrapalhar a vida de terceiros, que não foi o que ocorreu com essa manifestação dos caminhoneiros que interferiu na vida de todos os brasileiros e empresas, gerando um prejuízo bilionário sem precedentes.

Para dissipar qualquer dúvida a respeito do tema, vale trazer aqui a última ordem de Karl Marx escrita no Manifesto do Partido Comunista, que disse:

Eles declaram abertamente que seus propósitos só podem ser alcançados mediante a derrubada pela força de toda ordem social até hoje reinante. Que as classes dominantes tremam ante a revolução comunista” (MARX, Karl. Manifesto do Partido Comunista. 1.848).

Tudo isso nos permite concluir que quem apoia a derrubada pela força, com a utilização de violência; o tabelamento de preços e a intervenção estatal na economia, é esquerdista/comunista.

Portanto, todos que apoiaram a greve dos caminhoneiros participaram na verdade de uma revolução do proletariado defendida pelo Karl Marx, e possuem como ideologia o socialismo/comunismo, mesmo que não tenham se dado conta disso, já que tem por ideal o Estado grande e assistencialista/intervencionista, ao invés do Estado mínimo com menor despesa e tributação.

Se você apoia a greve dos caminhoneiros, mesmo após ver o resultado pretendido pelos mesmos (intervenção estatal na economia e concessão de subsídios) e analisar o modus operandi da manifestação (violência, imposição de adesão a greve aos demais caminhoneiros e prejuízos a terceiros), você possui maior tendência ao socialismo e comunismo e em votar em políticos que levantam essas bandeiras.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAusteridade é um dos principais requisitos para o próximo governo
Advogado. Ativista político. Aluno do curso de doutorado da Universidad de Buenos Aires - UBA. Pós-graduado pela Escola da Magitratura do Rio de Janeiro - Emerj. Membro das comissões da Igualdade Racial e Defesa do Consumidor da OAB/PR. Autor do livro "Nas Entrelinhas da Política" e coautor do livro "Reflexões Atuais da Filosofia do Direito sob a Perspectiva da América Latina". Contato@pierrelourenco.com.br O Diário Nacional é um blog com linha editorial à direita, que faz cobertura de notícias políticas e textos de opinião, contando com diversos colaboradores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui