Lucas Berlanza: “Gleisi Hoffmann é inimiga do Brasil e envergonha a pátria”

COMPARTILHAR

Opinião – Lucas Berlanza escreve para o Instituto Liberal:

“Não somos de meias palavras quando se trata de coisa séria. Uma afronta repugnante como a que a senadora petista e atual presidente da legenda, Gleisi Hoffmann, fez à Justiça brasileira não pode merecer tratamento cordial.

Repercutiu nesta quarta-feira (18) um vídeo enviado à grande emissora de televisão do mundo árabe, a Al Jazeera, em que a senadora denuncia a prisão de Lula como uma “prisão política”, mais um desdobramento do “golpe de Estado” que depôs a “inocente presidenta” (sic) Dilma Rousseff, além de uma ameaça aos “direitos humanos”, e convida “a todos e a todas a se juntarem conosco nessa luta”. Frisando a “amizade de Lula com o mundo árabe”, Gleisi explicitamente quer a ajuda das forças sociais da região para enfrentar a “injustiça” cometida por Sérgio Moro, pelos procuradores da Lava Jato, o TRF-4 e até pelo STF. Garantiu que a Rede Globo está pressionando o Poder Judiciário apenas para manter Lula preso e favorecer um projeto de entrega do petróleo ao estrangeiro e uma política externa submetida ao Departamento de Estado americano (!!).

Quanta originalidade! Desde pelo menos Luiz Carlos Prestes, agitador comunista enaltecido por Ciro Gomes como “patriota” e que em verdade era um agente vendido ao Komintern que apoiaria a totalitária União Soviética se esta dominasse o Brasil, as extremas esquerdas no país têm por modus operandi predileto disfarçar de nacionalismo econômico seu profundo desprezo pelos reais interesses da pátria e do seu povo.

Oportuno observar, diante da transformação do tucano Aécio Neves em réu, que é apenas Lula a ensejar histrionismos antinacionais como este que partiu da nefasta senadora, acrescentando uma cereja de bolo a uma ficha já corrida de desserviços prestados ao Brasil. Não basta estar na mira da Lava Jato, indiciada pela Polícia Federal por corrupção passiva e denunciada pelo Ministério Público por envolvimento com propinas na Petrobrás, juntamente com o marido. É preciso fazer algo ainda pior que corromper-se para açambarcar bens: ela considera ajuizado malbaratar a dignidade brasileira aos olhos do mundo.

Seu argumento de que já ofereceu declarações similares a outras emissoras internacionais só torna tudo pior. Hoffmann, como capitã de um exército infame ao resgate do líder decaído, quer de todo modo colocar o mundo contra o povo brasileiro que esteve nas ruas pelo impeachment, contra a Justiça que finalmente aprisionou o mestre da maior quadrilha da história e ao mesmo tempo uma seita política autoritária e antirrepublicana, contra o cidadão comum que cometeu o terrível crime de não provocar nenhuma “guerra civil” porque um bandido foi punido. É inimiga de toda uma gente sequiosa por justiça e prosperidade – inimiga, portanto, do Brasil, da pátria enfim, ao se dispor de tal maneira a envergonhá-la.

Algumas lideranças políticas já se mobilizaram para questionar a atitude de Gleisi nos órgãos competentes. A parlamentar Ana Amélia foi uma que levantou a voz contra o gesto temerário, mas não se ficou apenas no gogó. O deputado Jerônimo Goergen anunciou que enviaria um ofício à Polícia Federal sobre o vídeo. O movimento Brasil 200 protocolou uma ação na PGR.

Para Gleisi, tudo isso se deve a “ignorância, preconceito e xenofobia” contra os árabes. Ocorre que os “amigos de Lula” por aquelas bandas, como é notoriamente sabido, são autênticos ditadores, sejam autocratas laicos, teocráticos ou defensores de organizações terroristas. Não é xenofobia admitir uma realidade tão palpável. Dirigir-se a eles pedindo “ajuda” contra a lei nacional é, sem qualquer exagero, um acinte que a sociedade brasileira não pode admitir. Imaginamos como deve estar sendo difícil a essas pessoas ouvir falar em “direitos humanos” e “golpe” e tentar entender o que Gleisi quis dizer com esse conceito estranho a nações que ainda lutam para permitir que mulheres ponham o rosto para fora das burcas ou que seguem assassinando cristãos, homossexuais e outros grupos minoritários.

Nós, ao contrário, entendemos muito bem e não gostamos do que vimos. Se, no Brasil, comentários de gosto duvidoso ou politicamente incorretos de um parlamentar forem motivo de condenação, mas desafiar a soberania da nossa jurisdição for algo absolutamente convencional e tolerável, estaremos de fato em péssimos lençóis. O movimento vil e irresponsável de Gleisi Hoffmann deve ser severamente repudiado.”

Leia na Gazeta do Povo.

1 COMENTÁRIO

  1. Não é preciso ser erudito para entender o comunismo. Ele é apenas e tão somente DOMINAÇÃO. Foi moldado sob as teses marxistas/gramscinianas que usam a classe trabalhadora e as minorias como meio para atingir a dominação. Em alguns lugares foi pela força das armas e em outros pelo convencimento político partidário. E no fim todos eles levaram a mesma receita: violência, medo, tortura, fuzilamento e por fim DOMINAÇÃO. Usam palavras que se amoldam ao gosto do vulgo: democracia; socialismo; desejo do povo, etc.”O Comunismo não é uma ideologia na qual se acredita, mas sim uma conspiração criminosa na qual se toma parte”. Gleisi faz seu papel, sujo sim, mas identificado com sua índole.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui