Folha reconhece que difusão de notícias falsas sobre Marielle Franco começou depois de reportagem que eles publicaram

COMPARTILHAR

São Paulo — Paula Cesarino Costa, a “ombsdman” da Folha de S. Paulo – encarregada pelo canal de comunicação – escreveu nessa segunda, 26, sobre as responsabilidades do veículo no caso das notícias falsas que circularam sobre a vereadora do PSOL-RJ Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro no último dia 14.

Paula admite que “a difusão das mentiras, em grande parte, teve como origem reportagem publicada pela Folha no dia seguinte ao assassinato da vereadora.”

Leia na íntegra:

“A disseminação incessante de notícias falsas, na semana que passou, levou a irmã e a viúva da vereadora Marielle Franco a entrarem com ação judicial, pedindo a retirada do ar de vídeos mentirosos, com base em mais de 16 mil emails que denunciavam informações falsas. O caso merece reflexão, especialmente porque a difusão das mentiras, em grande parte, teve como origem reportagem publicada pela Folha no dia seguinte ao assassinato da vereadora.

O texto, veiculado no site na noite de 16 de março e na edição impressa do dia seguinte, destacava postagem da desembargadora Marilia Castro Neves em rede social. No site, título e linha fina afirmavam: “Desembargadora diz que Marielle estava engajada com bandidos e é ‘cadáver comum’; Marilia Castro Neves fez o comentário nesta sexta (16) no Facebook”. No papel, o título era: “Magistrada diz que Marielle tinha elo com bandidos”.

A reportagem tinha nove parágrafos. Os cinco primeiros reproduziam e contextualizavam a origem da declaração. Em um único dizia que grupo de advogados defendia que a desembargadora fosse denunciada ao Conselho Nacional de Justiça por ter “ironizado” a morte de Marielle. Nos três parágrafos finais, ouvia a magistrada, que disse nunca ter ouvido falar dela, que tinha copiado o conteúdo de uma amiga e que era contrária à politização do assassinato.

Identifico alguns problemas. O primeiro no critério noticioso da postagem, o segundo na forma como o texto foi construído e o terceiro, e mais importante, os títulos que a Folha publicou a respeito. De qualquer ponto de vista, o jornal deve refletir sobre sua parcela de responsabilidade em ser a origem da disseminação de notícia falsa.

Cito o novo Manual da Redação da Folha: “Títulos e subtítulos constituem o principal, quando não o único, ponto de contato de muitos leitores com a notícia. Sua formulação deve ser atraente e responsável, especialmente nas plataformas digitais, onde se perde a visão de conjunto.” E recomenda: “Evite truques para caçar cliques, como formulações sensacionalistas ou omissões destinadas a iludir o leitor”.

Segundo reportagem do jornal O Globo, a repetição de notícias falsas sobre a vereadora se deu majoritariamente a partir do site Ceticismo Político (que deu o título “Desembargadora quebra narrativa do PSOL e diz que Marielle se envolvia com bandidos e é “cadáver comum”), que citou como fonte a Folha.

Como bem analisou o jornalista Pedro Burgos, a maior parte dos grandes veículos reproduziu a acusação sem substância da desembargadora no título. Nenhuma das reportagens deixava de citar, em algum trecho, que ela não tinha fonte confiável para amparar as acusações. Algumas até destacaram o disparate em subtítulos.

“Ou seja: em termos de informação, as reportagens estão ‘corretas’. Mas podiam ser melhores. A ‘informação’ mais importante era que algo patentemente falso estava se espalhando pelas redes e um dos vetores era uma desembargadora que confiava demais em coisas do WhatsApp“, concluiu Burgos.

A Folha deveria também ter investigado quem era a desembargadora, antes de publicar a notícia. Poderia mudar sua avaliação. Ela já havia ironizado a primeira professora portadora de síndrome de Down, minimizado reclamações de assédio feitas por mulheres e chamado o CNJ de “órgão espúrio”.

Perguntei ao editor-executivo da Folha, Sérgio Dávila, se o jornal tem política específica em relação às fake news. O assunto preocupa tanto o jornal, respondeu, que consta de seu Projeto Editorial, onde diz que o jornalismo profissional é antídoto para notícia falsa.

Ele avalia que é impossível desmentir todas as notícias falsas que se multiplicam principalmente nas redes sociais. “A missão principal do jornalismo profissional não deveria ser desmentir fake news, mas trazer ao leitor as ‘true news‘, relevantes e exclusivas.”

Dávila informou que a Folha, ao lado de outros jornais e sites noticiosos, fará parte do projeto First Draft, consórcio que nasceu na Universidade Harvard e chega ao Brasil para tentar atacar as fake news no momento em que começarem a ganhar tração na internet. A ideia é produzir apurações que desmintam textos de fake news, principalmente durante as eleições.

A iniciativa é saudável. Notícias falsas são ameaças cada vez mais graves. Ocupam o centro de debate mundial. Cabe aos veículos jornalísticos adequar procedimentos e encontrar instrumentos e estratégias que possam evitar ou diminuir os danos causados por notícias falsas a pessoas, grupos, países.”

Leia na íntegra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui