Filha de jornalista que morreu atropelada por carro da Tuiuti desabafa: “Nojo e tristeza me definem no dia de hoje!”

COMPARTILHAR

SOCIEDADE — A escola de samba que fez chacota dos manifestantes que foram às ruas pelo impeachment de Dilma Rousseff tem sangue nas mãos.

No carnaval passado, um carro da Paraíso do Tuiuti feriu 20 pessoas e matou 1. Os responsáveis saíram impunes.

Leia o desabafo da filha da jornalista Elizabeth Ferreira Jofre, que morreu atropelada por um carro alegórico da escola:

“É muito fácil quando não é sua mãe ou seu parente. É muita alegria. A gente comemora e vibra, né? Eu achava que tragédia só acontecia com o vizinho até que a dor bateu também na minha porta e eu enxerguei que acontece com todos. Ninguém está livre de nada. A única coisa que podemos pedir é livramento a Deus. Uma Escola que jamais merecia estar no grupo Especial esse ano. Tinha q ter sido rebaixada sim! Que atropelou 20 pessoas ano passado e fez uma vítima fatal. Que deixou todas as vítimas em Hospital Municipal onde falta o básico… Tinham condições de colocar as vítimas com mais gravidade em hospital particular para tentar com uma saúde melhor sobreviver, mas não fizeram.”

“Não fizeram nada até hoje. Não nos deram apoio, não nos indenizaram e as vítimas que sobreviveram estão sendo ajudadas por familiares e amigos. Simplesmente cagaram e andaram tipo assim: Busquem seus direitos na Justiça! Um F****-se bem grande!!! Aí colocam um Carnaval fazendo protesto…o sujo falando do mal lavado, porque nem eles fazem a parte deles, nem eles arcam com suas responsabilidades com a tragédia que cometeram na vida de muitos, com a minha mãe que morreu por falta de recurso num Souza Aguiar da vida por Sepsemia. Como eles querem cobrar e falar de política se eles não cumprem nem com a parte q cabe a eles? Hipocrisia, falsidade, falta de amor ao próximo e muita, muita falta de respeito. Nojo e tristeza me definem no dia de hj!”

Leia a matéria completa no G1/Globo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui