Socialismo que deu certo: Venezuelanos sofrem com falta de alimentos, energia, gasolina e remédios

COMPARTILHAR

VENEZUELA — Na quinta-feira, 30, estações do metrô de Caracas fecharam pois não havia energia. Em 17 estados, a gasolina está no fim. Médicos anunciam que pacientes diabéticos estão morrendo há quatro meses por falta de insulina. E só agora, pela primeira vez, a Organização Mundial de Saúde, OMS, admitiu que a Venezuela está em “crise humanitária”.

Pois bem. A Venezuela estava em crise em 2014, agora já está em caos total. “No hospital, não temos como tratar os pacientes e estamos fazendo vaquinha para comprar alguns produtos básicos.”, contou Monica Conde ao Estadão, uma médica de Vargas, norte da Venezuela.

Desde 2014 faltam, pelo menos, 100 remédios considerados essenciais a qualquer hospital e farmácia. Segundo a Federação Farmacêutica da Venezuela, 85% dos medicamentos necessários à população sumiram. E no caso de tratamento de doenças crônicas, como diabetes e câncer, a escassez é de 95%.

A situação está tão crítica que reapareceram doenças que haviam sido erradicadas há 24 anos, como tuberculose e sarampo. Além disso, o país enfrenta uma epidemia de malária que já acometeu 200 mil pessoas até outubro, provavelmente, dois meses depois, o número aumentou.

A desnutrição em crianças aumentou para 68% em agosto. Segundo um estudo da ONG Cáritas, 35,5% das crianças pobres, com idade de 0 a 5 anos, estão desnutridas. Além disso, o número de mortalidade infantil aumentou em 30%, sendo que 11.466 crianças de 0 a 1 ano morreram no ano passado.

Também não é possível encontrar métodos contraceptivos, o que causou um aumento drástico nos casos de doenças sexualmente transmissíveis, como gonorreia, sífilis e herpes. Está acontecendo também uma epidemia de abortos caseiros.  Somente em 2016 foram 3.430 atendimentos médicos em decorrência de abortos improvisados. Neste ano, mais de 6,5 mil pessoas contraíram o HIV na Venezuela.

 Mesmo com as maiores reservas de petróleo do mundo, não há gasolina em várias regiões, logo, o transporte público também está em falência.

Esse é o socialismo que deu certo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui