Garotinho é “punido” por traquinagem: vai para Bangu 8 e será monitorado 24 horas/dia

COMPARTILHAR

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho (PR), que será transferido nesta sexta-feira (24) para a Cadeia Pública Pedrolino Werling de Oliveira (Bangu 8), na zona oeste carioca, vai ficar em uma cela monitorada por câmera 24 horas. Segundo a Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária), a transferência é uma “punição” porque Garotinho não teria comprovado supostas agressões relatadas hoje à Polícia Civil. As informações são do UOL.

O juiz eleitoral Ralph Machado Manhães Júnior, da 98ª zona eleitoral – Campos dos Goitacazes, foi consultado e autorizou a transferência da Cadeia Pública Frederico Marques, onde estão os presos da Lava Jato no Rio, para unidade prisional de segurança máxima e, se a VEP (Vara de Execuções Penais) do Tribunal de Justiça do RJ o entendesse, até mesmo para um presídio federal. O juiz determinou que Garotinho seja mantido em cela separada de outros presos e garantida sua segurança.

Antes, Garotinho estava na Cadeia Pública Frederico Marques, onde estão os presos da Lava Jato no Rio. Ele foi hoje à 21ª Delegacia de Polícia, na zona norte do Rio, para registrar queixa de agressão dentro da cela.

Mas a Seap informou ainda que Garotinho estava sozinho em uma galeria composta por nove celas, todas vazias. A Seap disse ter examinado as imagens das câmeras da cadeia, que “não detectaram presença de qualquer pessoa ou estranhos na galeria onde se encontra o detento que pudessem causar tais lesões”.

Na decisão do juiz eleitoral Ralph Manhães Junior, ele diz que recebeu informações do juiz Schilling, da VEP, e do secretário de Administração Penitenciária, coronel Erir Ribeiro, de que Garotinho “estaria causando transtornos” na cadeia de Benfica, “pois teria se autolesionado e afirmado, ainda, que as agressões foram realizados por terceiros”.

De acordo com seu advogado, Carlos Azeredo, o ex-governador disse que a agressão se deu na madrugada desta sexta-feira por um homem com cassetete. “Na madrugada, um elemento invadiu a cela e deu, com um taco de beisebol, um porrete, no joelho dele e um pisão no pé”, afirmou.

“A cela estava fechada. Essa pessoa abriu. A pessoa disse que ele fala demais e deu uma porretada nele”, acrescentou o defensor.

Só que o presidente do Sindicato dos Servidores do Sistema Penal do Rio, Gutembergue de Oliveira, explicou que as câmeras do presídio não capturaram qualquer pessoa entrando na cela de Garotinho: “Não existe a versão do Garotinho. As câmeras não têm esse registro”

“O Garotinho teve um delírio. Ele está numa galeria sozinho, numa cela sozinho. É impossível que alguém tenha entrado”, afirmou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui