Usuários de Uber, 99, Cabify e Lady Driver estão pressionando senadores contra projeto que quer acabar com aplicativos

COMPARTILHAR

BRASÍLIA — O projeto que será votado nessa terça-feira, 31, no Senado Federal poderá prejudicar milhares de trabalhadores cerca de 500 mil – que utilizam o serviço dos aplicativos de transporte particular, além de incontáveis usuários. Diante disso, a sociedade está se mobilizando para pressionar os parlamentares, principalmente através das redes sociais.

Semana passada, o Projeto de Lei da Câmara, PLC 28/2017, teve requerimento aprovado pelos senadores para que tramitasse regime de urgência.

O Uber lançou uma campanha sobre, veja:

Conforme informou o Estadão, apoiadores dos aplicativos estão aproveitando publicações feitas por senadores em suas redes sociais para pressionar os representantes a rejeitar a proposta atual. “Sou motorista de aplicativo há mais de um ano, estou desempregada e há 5 meses tive a oportunidade de trabalhar como motorista de aplicativo e assim poder honrar com as contas do meu lar. Peço por favor que na próxima terça (31/10) que o senhor nos ajudasse (sic) votando NÃO a PLC 28”, escreveu uma usuária em um post de José Serra, PSDB.

Outro usuário cobrou o petista Lindbergh Farias: “Senador, admiro seu trabalho, no entanto, você está a favor dos taxistas e contra serviços de mobilidade urbana!? Isso é um retrocesso… Os aplicativos já estão regularizados e não precisam de mais taxas e burocracias”.

Para Romário uma internauta escreveu: “É sério que você tá contra Uber? Que decepção. Você não depende do dinheiro do Uber pra botar um prato na mesa, já fez teu dinheiro. Se você PENSA tanto no povo, pra falar a verdade nem pensa é só da boca pra fora. Por que tá fazendo isso? Temos o Pezão pra ferrar com nossas vidas e pra piorar agora temos VOCÊ”.

Os aplicativos, motoristas e usuários defendem o substitutivo que foi apresentado pelo senador Pedro Chaves, PSC, exigindo que os condutores possuam Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com permissão para cumprimento de atividade remunerada e seguro para acidentes pessoais a passageiros. Os motoristas também deverão estar inscritos como contribuintes no INSS.

Mas o texto que será votado amanhã não é esse.  Entre outras exigências, o projeto de autoria do deputado petista Carlos Zarattini obriga que os carros destinados ao transporte de passageiros por aplicativo a tenha autorização prévia das prefeituras, por meio de placas vermelhas. Além de outras burocracias que podem inviabilizar os serviços, afinal, acaba com seus principais diferenciais e atrativos.

Tópicos apontados como favoráveis no texto do projeto é que os aplicativos não poderiam contratar motoristas que tenham antecedentes criminais relativos a: crimes de trânsito, crimes contra a dignidade sexual, homicídio, lesão corporal grave ou seguida de morte, sequestro e cárcere privado, tráfico de pessoas, roubo e extorsão mediante sequestro e outros crimes “praticados mediante violência contra a pessoa ou grave ameaça”

Fonte: Estadão

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Coloque seu nome aqui